19.11.14

Doce:

Entre o coração que amplo sente e a geografia marcada do teu ventre.
Doce no sorriso nunca travado e no abraço não medido, nem distâncias, outros valores, no travo fino da voz e das palavras companheiras.
Doce eu nos teus braços e doce a imoralidade consentida do teus beijos.
Doce estás ao nosso lado e continuas a caminhada, às vezes dura, outra compensadora, mas tu... sempre doce.

Parabéns, doce *